PUBLICIDADE

Efeitos da vitamina D em crianças funcionam a longo prazo

Estudo indica que nutriente na infância melhora funções cognitivas em adultos

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

Pesquisas já comprovaram que altos níveis de vitamina D no organismo de adultos contribuem para melhorar suas funções cognitivas. Essa relação, porém, não é encontrada em crianças, como mostra uma pesquisa publicada no Journal of Epidemiology e Community Health.

Os autores, da Universidade de Bristol (EUA), queriam descobrir qual o impacto que a vitamina D poderia ter em crianças. O estudo incluiu cerca de três mil crianças cujos níveis de vitamina D foram medidos quando elas tinham em média nove anos de idade. Ao completarem 13 ou 14 anos, elas passaram por avaliações acadêmicas de inglês, matemática e ciência e, aos 16 anos, passaram por uma nova avaliação.

Depois de analisar os resultados, os pesquisadores descobriram que níveis mais altos de vitamina D3 - obtida pela luz solar - não estavam associados a qualquer melhora ou piora no desenvolvimento acadêmico. Já os níveis mais elevados de vitamina D2 - obtida por meio da alimentação - foram associados a um pior desempenho em inglês entre crianças de 13 a 14 anos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Segundo os especialistas, as descobertas sugerem que talvez a vitamina D cause mais impacto sobre um cérebro em envelhecimento, ou que os benefícios dos nutrientes sejam acumulados ao longo da vida. Eles afirmam ainda que proteger as crianças da exposição UVB - hábito que tem sido associado aos baixos níveis de vitamina D - diminui os riscos de câncer de pele e, provavelmente, não causa qualquer efeito prejudicial no desempenho acadêmico das crianças em longo prazo.