PUBLICIDADE

Carboidrato ou gordura: o que mais atrapalha o emagrecimento?

Estudo concluiu que low-carb ou low-fat é similar para a perda de peso.

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

O que é melhor para emagrecer: comer menos carboidrato ou gordura? Cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, compararam os efeitos das diferentes dietas em voluntários na respeitada revista médica "Journal of the American Medical Association" JAMA.

"Todos nós ouvimos histórias de um amigo que seguiu uma dieta e funcionou bem. Então, outro amigo foi lá e não funcionou com ele", disse Christopher Gardner, professor da faculdade de medicina da Universidade de Stanford principal autor do estudo. "Somos muito diferentes e estamos começando a entender os motivos de toda essa diversidade. Talvez seja a hora de deixar de perguntar qual é a melhor dieta, mas para quem esta dieta é direcionada".

Todos reduziram 20 gramas de carboidrato ou gordura, de acordo com o seu grupo de pesquisa, nas primeiras oito semanas. Depois do segundo mês, foram adicionados de 5 a 15 gramas gradualmente.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Uma orientação dos estudiosos aos voluntários: comer em quantidades que não os deixassem com fome. ?Caso contrário, fica difícil seguir uma dieta a longo prazo?, pondera.

Resultados da pesquisa

Gardner chamou 609 pessoas com idades entre 18 e 50 anos. Nessa amostra, metade era composta de homens, metade de mulheres. Eles foram divididos igualmente em dois grupos: a dieta com redução de carboidrato (low-carb) e a com redução de gordura (low-fat).

No final de tudo, os indivíduos dos dois grupos perderam, em média, 13 kg. Havia uma variação grande de peso entre cada indivíduo: alguns perderam mais, outros menos. Mas, segundo Gardner, não foram encontradas associações entre os genótipos ou níveis de insulina.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Depois de um ano, as duas turmas apresentaram a mesma média de perda de peso: 5,8 kg. Além disso, os autores constataram que a genética de cada um e os níveis de insulina não são determinantes no sucesso da dieta, ao contrário do que mostraram pesquisas anteriores.

Para os cientistas relacionados do estudo, independente da dieta, é fundamental pensar em um ponto na hora de comer: um refrigerante pode ter pouca gordura, mas não é saudável. Assim como a gordura da carne tem pouco carboidrato, mas comer um abacate seria mais saudável.

"Nós nos certificamos de dizer a todos, independente da dieta que escolheram, que era hora de ir ao mercadinho e não comprar comida processada. Além disso, aconselhamos uma dieta que não dê fome ou privação, caso contrário, é difícil mantê-la a longo prazo", disse Gardner.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

No mais, a dica para eliminar os quilos indesejados é simples: tenha uma alimentação o mais natural possível. ?Coma menos açúcar, menos farinha refinada e o máximo de vegetais que conseguir?, recomenda o especialista. Foi o que fizeram os participantes do estudo.

"Queríamos apresentar um plano de dieta com baixo teor de gordura ou baixo teor de carboidratos que seja possível seguir para sempre", completou.