PUBLICIDADE

Saiba como agir na fase de formação da personalidade do seu filho

Tudo que você precisa fazer para fazer da criança uma pessoa segura

Muitas dúvidas rondam a cabeça dos pais ao ingressarem na jornada de criar seus filhos. Além de aprender os cuidados básicos para receber os pequenos, a preocupação também surge quando o assunto é a educação deles. O assombro aumenta quando os especialistas constatam que a infância tem grande influência na personalidade a ser desenvolvida. A personalidade tende a ser construída ao longo da vida, com o acontecimento dos fatos. Mas é na infância e adolescência que a forma de agir de cada pessoa se molda , explica a psicóloga clínica da Unifesp, Denise Bellotto. Isso não é motivo, no entanto, para desespero. Basta saber como agir para cumprir a tarefa de formar pessoas seguras e de bem com a vida.

No processo de formação da personalidade, Denise ressalta que o ambiente em que a criança vive, exerce grande influência. A vida emocional e a identidade são determinadas pelo ambiente. Quando digo ambiente, falo, primeiramente, da casa da criança , completa. Ela continua a explicação dizendo que os pais são os responsáveis pelo ambiente de casa. Isso envolve tudo que diz respeito à relação dos pais com o filho, desde as refeições e os cuidados básicos até a parte da demonstração de carinho .

Ainda falando sobre a importância da família na formação da personalidade da criança, a especialista afirma que tanto a mãe quanto o pai têm papel de destaque. Num primeiro momento, o pai dá suporte para a mãe ter tempo disponível para o bebê. O pai se preocupa com o pagamento das contas, com as compras para a criança e assim por diante , ressalta sobre a estrutura familiar ideal.

Quando a criança passa da fase que é muito dependente da mãe, a psicóloga da Unifesp conta que o papel do pai é intervir neste contato muito intenso. Muitas mães são superprotetoras. Os pais entram em cena para mostrar que a criança pode correr, brincar, cair e levantar, sem problema algum , exemplifica Denise.

Quando imprevistos acontecem...
Nem toda casa tem a estrutura desejada ou se planejou para a chegada do bebê. No caso de pais separados, a especialista garante que não é preciso morar junto para desempenhar as funções de pais.

Já nas situações em que o pai da criança não participará de sua formação, Denise aconselha que outra pessoa assuma o papel. É preciso ter alguém que dê segurança à mãe e faça esse intermédio entre mãe e filho, mais para frente. Podem ser os avós ou um tio, por exemplo .

Os resultados de um ambiente familiar adequado são positivos. Com uma base segura, a criança se desenvolve com autonomia e tem o espaço adequado para seu desenvolvimento , informa a psicóloga.

Quando o contrário acontece, Denise diz que alguns prejuízos são notados. Se o ambiente que cerca a criança falhar, dá para notar algumas diferenças, comparando com uma criança que vive em um ambiente saudável. Crianças inseguras ou com dificuldade de aprendizagem podem ser exemplos disso , conta.

A psicóloga frisa que também é fundamental reconhecer e se adequar à fase da criança. O ingresso à escola, por volta dos quatro anos, marca a fase de socialização da criança. Nesta época, ela começa a perceber que há um mundo fora de casa e que ela faz parte dele , detalha Denise. Os pais, então, devem reconhecer essa fase e incentivar a criança às novas experiências.

Já por volta dos sete anos, a criança está apta para freqüentar a casa de coleguinhas ou ir a festas sozinha. De acordo com a especialista, nessa idade, a criança percebe que pode confiar em outros adultos, além dos que convivem com ela, e fica bem brincando com os amigos. Mas é claro que cada criança tem seu momento e os pais precisam respeitar isso . A psicóloga aconselha o meio termo. Não empurre demais, nem prenda muito a criança .

Denise afirma que o segredo para não errar na formação dos filhos é diferenciar as necessidades de cada fase. Quando os pais sabem o que a criança está apta a fazer em cada idade, não faz cobranças exageradas, nem críticas inapropriadas. Assim, não abala a auto-estima da criança .