PUBLICIDADE

Fones de ouvido podem levar à surdez

Zumbido permanente é o primeiro sintoma da perda de audição

Fones de ouvido podem levar à surdez Zumbido permanente é o primeiro sintoma da perda de audição Eles fazem parte do dia-a-dia. Nos ônibus, na academia, no trabalho e no metrô, difícil encontrar alguém sem as rolhas sonoras. Os fones de ouvido, pensados como alternativa para quem deseja escapar do barulho da cidade, são recurso cada vez mais comum entre adultos, adolescentes e até crianças (que usam o acessório para tornar mais intensos os barulhos do joguinhos eletrônicos).

Porém, é preciso ficar atento. Aumentar o volume do fone de ouvido para ficar acima dos sons do ambiente ou ficar muito tempo o utilizando pode provocar perda na audição. Segundo as Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho, uma pessoa que fica exposta a um ruído de 90 decibéis, por quatro horas no dia, poderá desenvolver uma perda auditiva. Ficar muito tempo com os fones ouvindo música pode ser tão prejudicial quanto ficar exposto aos ruídos dos ambientes, portanto.

Mariene Terume Umeoka Hidaka, diretora da Faculdade de Fonoaudiologia da PUC-Campinas, explica que, para encobrir o som do motor de um carro ligado, por exemplo, seriam necessários 90 decibéis. Essa altura já poderia causar danos auditivos, dependendo do tempo de exposição", completa a diretora da faculdade. A perda da audição é gradativa. No início pode aparecer um zumbido permanente no ouvido, passando por irritabilidade até a perda auditiva. Para não ter que chegar à perda de audição, o mais indicado é ouvir músicas no nível de pressão sonora considerada adequada pelos especialistas: volume médio que não seja prejudicial à audição.

Serviço
Para quem tem dúvidas quanto á sua audição, a Clínica de Fonoaudiologia da PUC-Campinas oferece Avaliação Audiológica, Emissões Otoacústicas (Teste da Orelhinha), Avaliação do Sistema Vestibular, Avaliação do Processamento Auditivo, Seleção e Adaptação de Prótese Auditiva, Avaliação e habilitação/ Reabilitação Fonoaudiológica, de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h. Mais informações pelos telefones: (19) 3343-6843 e (19) 3343-6844.