PUBLICIDADE

Comer rápido demais engorda e faz mal para saúde

Estudo descobriu que engolir a comida pode aumentar o risco de síndrome metabólica que está associada a doenças cardiovasculares e diabetes

Devido a correria do dia a dia muitas pessoas acabam deixando de lado alguns hábitos simples que podem contribuir para uma vida mais saudável. Um grande exemplo disso é o costume de comer muito rápido, sabemos que saborear uma refeição lentamente pode parecer um luxo, porém de acordo com a Associação Americana do Coração (AHA, na sigla em inglês) essa prática é fundamental para nossa saúde.

Uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade Hiroshima, no Japão, recrutaram 642 homens e 441 mulheres de mais ou menos 51 anos. Em 2008, quando o estudo começou, nenhum dos participantes apresentava síndrome metabólica, que é um conjunto de doenças que aumenta o risco de problemas cardiovasculares, como diabetes, colesterol alto e hipertensão.

Para análise, eles dividiram todos os voluntários em três grupos, de acordo com a velocidade que cada um dizia comer: devagar, normal ou rápido. Após cinco anos, os pesquisadores chegaram a um resultado. Aproximadamente 11% das pessoas que eram mais apressadas ao comer desenvolveram síndrome metabólica, o índice foi bem acima do que o observado nos outros dois grupos, quem comia em uma velocidade normal o percentual foi de 6,5%, e os mais lentos, 2,3%.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Além disso, devorar a comida foi associado a ganho de peso, cintura mais larga e altas taxas de glicose no sangue. "Ao comer rapidamente, as pessoas tendem a não sentir saciedade. Assim, ficam mais propensas a exagerar. Esse comportamento leva a uma maior flutuação de glicose, o que pode resultar em resistência insulínica", afirmou Takayuki Yamaji, principal autor do trabalho, em comunicado divulgado pela AHA.

A síndrome metabólica tem como base a resistência à insulina, quando esse hormônio não funciona direito, o açúcar acaba permanecendo na circulação sanguínea, podendo acarretar no diabetes e outras doenças.