PUBLICIDADE

Trocar pão branco pelo integral emagrece tanto quanto caminhada

Estudo mostrou como esse tipo de alimento pode acelerar a perda calórica, assim como uma atividade física

Já pensou conseguir o resultado similar ao de uma atividade física leve, apenas fazendo uma substituição alimentar? É o que sugere o estudo feito pela Universidade Tufts, nos Estados Unidos, que mostra que a substituição de alimentos refinados por integrais na dieta pode aumentar a perda de calorias acelerando o metabolismo.

Para isso, a equipe de pesquisa realizou um estudo comparativo durante oito semanas com 81 homens e mulheres, com idades entre 40 e 65 anos. Nas duas primeiras semanas do estudo, todos os participantes comeram o mesmo tipo de alimento, de acordo com as necessidades individuais de calorias. Após duas semanas, os participantes foram aleatoriamente designados para comer uma dieta que incluía grãos integrais ou grãos refinados. As dietas diferiram principalmente na qualidade do grão e da fibra. A energia, a composição de macronutrientes, o tipo de alimento e a estrutura da refeição eram semelhantes.

No período, os pesquisadores avaliaram o peso, a taxa metabólica, a glicemia, as calorias fecais, a fome e a plenitude. No final do estudo, aqueles que comeram grãos integrais tiveram um aumento da taxa metabólica em repouso e maiores perdas de energia fecal em comparação com aqueles que comeram grãos refinados. As perdas extra de energia fecal não foram devidas à própria fibra extra (que foi contabilizada nos cálculos), mas sim do efeito que a fibra teve na digestão de outras calorias alimentares.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Com a análise, a pesquisa mostrou que essa troca pode resultar na eliminação de 100 calorias por dia, assim como alguns tipos de atividade física. "As calorias extra perdidas por aqueles que comeram grãos integrais eram equivalentes a uma caminhada rápida de 30 minutos ou a desfrutar de um pequeno biscoito extra todos os dias em termos de impacto", disse a autora principal Susan B. Roberts, Ph.D., cientista sênior e diretora do Laboratório de Metabolismo Energético do USDA HNRCA.