PUBLICIDADE

11 marcas de azeite são reprovadas pela Proteste

Conheça também os azeites que foram mais bem avaliados pela associação

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

Além de ser um item indispensável na cozinha dos brasileiros, o azeite de oliva também é muito requisitado nas festas de fim de ano, porém, nem todas as marcas oferecem o produto que estão apresentando, como mostra uma análise recente da Proteste. A associação testou o produto de 29 marcas e descobriu que cinco delas não oferecem azeite de verdade e outras seis, que comercializam o produto na versão extravirgem, continham na verdade apenas azeite virgem.

"A prática de vender um produto misturado como azeite de oliva puro não causa riscos ao organismo, mas lesa o seu bolso e as suas expectativas nutricionais: você paga mais caro por um item que deveria ser mais barato e essa mistura de óleos não vai trazer os benefícios à saúde que você esperava", declara a Proteste em nota.

A análise mostrou que as seguintes marcas, em produtos que intitulavam como azeites de oliva extravirgens, estavam com o conteúdo adulterado com outros óleos vegetais: Borgel, Do Chefe, Lisboa, Malaguenza e Tradição Brasileira. A Proteste avaliou lotes específicos em laboratório, mas não revelou quais são. "Nossas análises sensoriais mostraram que, na verdade, eles são azeites lampantes, ou seja, produtos indicados ao uso industrial, e não à alimentação humana, por seu cheiro forte e sua acidez elevada", completa a Proteste.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Além disso, os azeites Beirão, Broto Legal, La Española, Mondegão, Serrata e Tordesilha foram apontados como azeites de oliva virgens, ao contrário da embalagem que traz a indicação de ser extravirgem.

"Todos os fabricantes receberam os resultados de nossos testes, assim como a metodologia aplicada. Também informamos a ocorrência das fraudes ao Ministério Público, à Secretaria Nacional do Consumidor e ao Ministério da Agricultura, para que providências fiscalizatórias e punitivas dentro do âmbito de atuação de cada instituição sejam adotadas", destaca a associação.

A Proteste avisa que, se você tiver um desses produtos na sua casa, deve ligar para o Serviço de Defesa do Consumidor pelos telefones 0800-282-2204 (de telefone fixo) ou (21) 3906-3900 (de celular), pelo qual eles irão orientar sobre o que fazer.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Azeites mais bem avaliados

As marcas O-Live e Filippo Berio atingiram nota 96 na avaliação global da Proteste, sendo as que tiveram a maior nota de todas as avaliadas. Já o Cocinero e Carrefour Discount foram tiveram os melhores resultados na relação qualidade/preço. Ao todo, 29 marcas foram analisadas: Allegro, Andorinha, Beirão, Borgel, Borges, Broto Legal, Carbonell, Cardeal, Carrefour, Cocineiro, Do Chefe, Filippo Berio, Gallo, La Española, La Violetera, Lisboa, Malaguenza, Maria, Mondegão, Olitália, O-live, Qualitá, Selmi Renata, Serrata, TAEQ, Terrano, Tordesilhas, Tradição Brasileira e Vila Flor.

Posicionamento das marcas

Em nota ao Minha Vida, a Bunge, fabricante do azeite La Española, disse: "Em relação ao resultado de testes com azeites de oliva, divulgado pela Proteste hoje, que classificou uma amostra do azeite La Española como 'fora de tipo', a Bunge informa que os parâmetros iniciais do lote avaliado 29516 estavam dentro do determinado pela legislação no momento de sua classificação pelos órgãos reguladores. Ocorre, entretanto, que tais parâmetros podem ser alterados em decorrência de condições inadequadas de armazenamento até chegar às mãos do consumidor. Por essa razão, novas análises estão sendo providenciadas. A Bunge esclarece também que esse resultado confirma que o produto não estava contaminado e/ou impróprio para consumo, nem foi considerado fraudado. A Bunge lamenta o ocorrido e reafirma seu compromisso com a qualidade e a transparência com os seus consumidores".

Já a Companhia Brasileira de Distribuição, responsável pela importação do Serrata, esclarece "que o fornecedor cumpre com as especificações legais e de qualidade para a comprovação da pureza do produto, de acordo com a resolução normativa número 1 de 30 de janeiro de 2012, firmada pelo Ministério da Agricultura, e que nas análises realizadas pelos órgãos regularizadores oficiais não foi encontrada nenhuma irregularidade sobre essa questão ou ainda que impeça o seu consumo ? a exemplo do teste realizado em novembro deste ano: http://www.agricultura.gov.br/noticias/autuadas-84-empresas-por-indicios-de-fraude-no-azeite-vendido-no-pais. A empresa permanece aguardando o relatório da Proteste para analisar o conteúdo".

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A Administração da Natural Alimentos ? Tecnologia em Alimentos, disse em comunicado: "Trata-se de conteúdo amplamente divulgado no passado e que retorna agora não sabemos com qual intuito. Na época a empresa teve que demitir metade de seus colaboradores. De lá para cá, a Natural Alimentos trabalha arduamente para o fortalecimento da marca com outros produtos absolutamente dentro das legislações vigentes. Por esse motivo, ressaltamos que qualquer divulgação negativa a cerca do nome Lisboa pode comprometer as vendas de outros produtos que levam a mesma marca. O lote mencionado não está mais nos supermercados deste setembro de 2016. A empresa o retirou das prateleiras por distorções de qualidade nos produtos importados e por isso também não comercializa mais desde o início desse ano. Atualmente são envasados pela Natural Alimentos óleos mistos e temperos a base de azeite de oliva saborizados, estritamente, adequados à legislação brasileira e, portanto, com produtos de qualidade e procedência autênticas. A Natural Alimentos foi a primeira empresa autorizada pela ANVISA a fabricar e comercializar óleo misto e temperos saborizados no Brasil. A Empresa cumpre restritamente a legislação brasileira em todos os aspectos em que atua. Somos uma empresa Brasileira de 12 anos, possuímos mais de 150 colaboradores (diretos e indiretos). O nosso time de profissionais incluindo engenheiros e técnicos em alimentos, administradores, gestores em saúde alimentar, especialistas em tecnologia e produção, trabalha com a missão de produzir produtos de alta qualidade e facilitar a vida do consumidor".

O Minha Vida ainda não conseguiu o posicionamento das empresas responsáveis pelas marcas Borgel, Malaguenza, Do Chefe, Tordesilhas, Broto Legal, Tradição Brasileira, Beirão e Mondegão.